sexta-feira, novembro 06, 2009

Fim da linha














A saída acaba por ser inevitável face à pobreza de resultados, e principalmente de exibições.

Num momento de rara lucidez, reconheceu na conferência de imprensa que teve 4 meses a mais à frente da equipa.

Para trás, ficam 4 temporadas com um saldo francamente positivo, tendo em conta a pouquíssima experiência como treinador principal, e as condições de que dispunha, face à concorrência interna.

Ninguém duvida que fez tudo o que podia e sabia, e se mais não fez foi porque não tinha mais para sacar daquela equipa, ou porque não lhe davam condições para mais.
Defendeu a equipa e o clube com unhas e dentes, quando a maior parte das vezes deveriam ser outros a fazê-lo.

Critico-lhe a casmurrice táctica, a conflitualidade que criou com vários jogadores (mal resolvida nalguns casos, como o de stojckovic), e as "prima donnas" do plantel, que jogavam sempre estejam ou não em forma - Polga é o caso mais evidente, mas há outros.
Mas tenho que louvar os resultados que obteve, que acabaram por ser positivos, (aparte a maldita eliminatória com o BM/Polga) e principalmente a capacidade preparar e lançar os putos, de que D. Carriço (sr. central !!!) é o mais recente exemplo.

É o principal culpado do estado de coisas? Evidentemente que não, mas alguma coisa tinha que ser feita no imediato, e a corda partiu pelo sitio do costume. Duvido que o sucessor consiga resultados milagrosos no imediato, mas espero que pelo menos quebre a letargia, a ansiedade, a lentidão de processos, etc., que a equipa tresanda.
Ou seja, que pelo menos joguem uma merda que se veja, e que agrade aos adeptos.

Pelo menos sai com dignidade, e sem exigir um chavo de indemnização. Lamentável espectáculo o do Presidente na conferencia de imprensa, culminada segundo noticias do portal Sapo, com uma tentativa de agressão a um adepto que reclamava à porta.

Espero é que a peixeirada dê nalguma coisa, e que o Pedro Barbosa, e o Ribeiro Teles se ponham também a andar, era a vassourada que aquele clube precisava no curto prazo. Definitivamente, não entendo o que Angulo e Caicedo têm que H. Viana e Varela não tenham.

O sucessor? no mercado português agradavam-me dois gajos: Inácio (lagarto ferrenho, disciplinador, treinador com experiência, e com o "elan" de ter quebrado o "enguiço" dos 18 anos) e Manuel José.
O André Vilas-Boas era engraçado, mas duvido que queira pegar na equipa neste momento, para mais quando treina a Briosa há um mês.

Nos estrangeiros: tudo menos Scolari. Preferia um gajo que trabalhasse a defesa à séria (que é uma vergonha, e um meio-campo digno das equipas do "Estalada") e lhes desse condição fisica.
Um sul-americano daqueles durões (Hector Cúper, por ex.) ou um italiano (Malesani...) seria o que preferia. Co Adriaanse também encaixaria.

Tenho dito.

P.S. enquanto redigia esta "biliática" posta, consta nos blogs da minha cor que o "croissants" e o Ribeiro Teles foram de vela. Boa notícia. Aposto que o Sá Pinto vai mudar de emprego...


3 comentários:

Francisco disse...

ahhahha ahahaa!

Kata disse...

O Hector Cuper parece-me bem. Era para enterrar de vez o moribundo que se tem arrastado pelos campos. Nao sei é se a selecçao da Georgia, ou la o que é, liberta o gajo... Ou se ele estaria na disposiçao de mudar tao ambicioso projecto pelo pequeno clube do metro do Campo Grande.

Talvez fosse bom contratarem o Peseiro outra vez. Nao jogam decentemente à bola desde o tempo dele. E, nao ganhando à mesma, pelo menos vocês andavam mais contentes...

Diego Armés disse...

O Hector Cuper?! Era piada, certo? Malesani?! Brincadeirinha, né?... Volta à realidade, Antonis. Tu consegues.