sexta-feira, janeiro 20, 2006

A descrição perfeita

"para mal dos meus pecados calhou-me um filho taradinho da bola, daqueles que abandona o pokémon electrónico XPTO que anda, come, fala e mata, pelo jogo entre o carrascaleira de baixo e a vila nova de alguidares de cima, 5ª divisão, quadro de desonra. Fica ali, de olhos presos no ecrã, a dar aos passes de bola nomes como cuequinha e carecada (e outros sussurados, presumo que bem ordinários), e a vibrar como se aquilo fosse o final do mundial. Porque ele vê aquilo pelo gozo do jogo (conceito que me é estranho em absoluto), está-se cagando em quem joga, ganha ou perde - a não ser que seja o Benfica, momento em que o mundo pára de rodar. Onde foi ele buscar tamanha obsessão não sei, que cá em casa ninguém liga puto a futebol, deve ser a proximidade do estádio, do bairro em questão ou uma pura e simples preferência pelo encarnado. Bem, há quem diga que é uma mística que não se explica, mas a verdade é que a dita mística obriga-me a dispender quase cinquenta aéreos todos os meses, porque a criança quis porque quis treinar no Benfica,diz que quer ser jogador dos verdadeiros quando crescer (além de cientista).
E aqui chegamos à parte interessante: eu, a penetrar nos meandros do estádio da luz, para o inscrever como sócio e aluno da escola de futebol (pois, todos eusébios em poucos anos, está-se mesmo a ver...) Bocê vai na direcção da media martkt e, quando vir o letreiro, é aí, esclareceu-me pelo telefone um rapaz que me pareceu não jogar com os berlindes todos (talvez jogasse apenas com uma bola de cautchu...que lhe ocupava a cabeça na íntegra). Bom, faço-me ao caminho, segunda circular, avenida lusíada, media markt, media markt...ah!, é ali à esquerda. Mas como lá chegar? Poupando-vos os pormenores, posso dizer-vos que terei chegado ao local cerca de vinte minutos depois dos primeiros impropérios dirigidos à merda da catedral, do glorioso, da Câmara de Lisboa que imaginou os acessos de merda, aos luís filipe vieiras, aos eusébios e a todos os benfiquistas em geral. Uma vez chegados às aforas do estádio, somos atacados por uma turba de zombies-arrumadores que nos querem chupar o sangue e temos medo de parar e sair do carro.
Optei por entrar num dos parques pagos, ao calhas, o mais perto possível do grande letreiro media markt. Um aparte, para dizer que acho extraordinária, esta promiscuidade entre desporto e negócio; quer dizer, eu sei que sou ingénua e associo o espírito desportivo àquelas coisas do espírito olímpico e assim, mas, porra!, entro num estádio de futebol e o ponto de referência é uma gigantesca loja de electrodomésticos? Bom, adiante. Porque do que eu vos queria mesmo falar era da fauna que por ali pulula. Eu sei que é mais ou menos assim em todos os clubes, mas meu deus! - o Benfica é mesmo o clube dos descamisados, dos reformados, dos desempregados, dos atrasados mentais, enfim: dos excluídos socialmente.
Era tarde de treino da escola de futebol e centenas de miúdos aglomeravam-se num estádio às ordens dos respectivos misteres - um treinador não é um treinador, é um mister (ai!) - , aos pontapés a bolas, tudo num enorme desgoverno, enquanto uma chusma de homens barrigudos, desdentados, de palito ao canto da boca e fato de treino, do lado de cá da rede, comentavam e mandavam bitaites tipo olheiro, num estranho ambiente de idiotia desmedido. Ou seja, quatro da tarde, e muitas dezenas de homens em idade produtiva de nariz colado a uma rede, a verem putos a jogar e de mine na mão à conta do rendimento mínimo garantido. E ainda nos queixamos de o país não ir para a frente...
Lá dentro do edifício (?) propriamente dito, vive-se a mística em todo o seu esplendor, mas a mística comercial: para inscrever a criancinha foram sessenta aéreos, mais quarenta e cinco da mensalidade e doses maciças de uma pachorra infinita para ser atendida por uma rapaz com meio cérebro, apenas (ou mesmo um quarto), que me introduziu a custo a criança no sistema (que também só funcionava pela metade).
Por todo o lado mirones descamisados de cachecóis encarnados ao pescoço roçavam-se pelas paredes, insistindo em espreitar quem está a fazer o quê; aliás, aquilo é homens por todo o lado e, seguramente, não são nem os mais belos nem os mais dignos representantes da espécie.
Ao todo, foram duas horas para inscrever a criança como sócia e, depois, como jogador aprendiz, sendo que não tinha ninguém à minha frente. À saida, no parque, mais deserdados da sorte, daqueles que reviram os olhos e assobiam a uma denoninha fedorenta, só pelo facto de ser fêmea. Senti-me verdadeiramente na coutada do macho latino, ou melhor, nas traseiras do machozito latinozeco. Tudo aquilo é feio (aproveitam-se alguns dos misteres, vá lá...) e tresanda a ociosidade acéfala. E pensar que me espera isto uma vez por semana!... Já comecei com os exercícios zen."controversa maresia

Agora sim, bom fds:)

4 comentários:

Edson Arantes do Nascimento disse...

Na Alvaláxia é tudo igual, com a pequena diferença de todos estarem sentados na sanita, defecando, portanto.

P.S. - Ainda pensei em questionar o autor do "copy-paste" no sentido de saber se ele alguma vez teve o privilégio de frequentar um (1) Estádio de futebol, qualquer que ele seja, mas depois percebi que seria infrutífero.

P.S. 2 - Caso tenhas frequentado um (1) Estádio qualquer ou, melhor ainda, caso aprecies um jogo chamado "Futebol", sabes, com certeza, que no dito jogo não há "berços", "bigodes", "ricos", "pobres", "inteligentes", "ignorantes" ou qualquer outra definição com que tu, pessoalmente, te possas identificar.

Dentro de um Estádio todos gritam "Golooooo!!!" e chamam "Boi preto filha da puta" ao árbitro - tanto assim é que, no Benfica-Manchester, por exemplo, eu tinha à minha frente o Director de Marketing da Central de Cervejas e, no espaço contíguo, o Zé Mánel taxista, himself.

Resultado: acabou tudo, literalmente, aos "beijinhos e abraços". Bigode com bigode, sovaqueira com Hugo Boss, mão-de-quem-os-lava-com-água-de-rosas com manápula de pedreiro.

O futebol é isto. No Benfica, no Sporting, no Porto, no Dalian Shide, no MTK Budapeste, no Manchester United, no Chelsea, no Milan e no Treviso.

Bekx disse...

O autor do copy-paste é sócio do SCP desde que nasceu e teve lugar cativo durante 20 anos.
O autor do copy-paste acompanhava a sua equipa em muitos jogos fora, do Algarve a Chaves, ainda o autor deste comentário não tinha idade para bater pívias.

Edson Arantes do Nascimento disse...

Pensas tu.

Bem sei que encarnas outra personagem na blogosfera, mas olha que encarnas bem - é que aquilo que escreves (neste caso, copias) não é a realidade. Pelos vistos, até sabes disso.

Bekx disse...

Caro Edson,
Quanto a encarnar personagens, pergunta a quem me conhece, alguns deles escribas neste blog, que te poderão assegurar não haver diferença entre o Bekx na blogosfera e fora dela e que tudo quanto escrevo é verdade.
Tens um problema grave chamado desconfiança. Duvidas de tudo e, por sistema, os mais desconfiados são os que mais mentem.