terça-feira, novembro 29, 2005

fim de semana de bola

O campeonato teve sérias mexidas este fim-de-semana. 1º, na 6ª foi o Nacional, (que tem a curiosidade de ter este nome quando tem 2 ou 3 jogadores lusos nas suas fileiras) a ganhar ao Braga à justa, e a assumir a liderança do campeonato.

Depois, o Marítimo e o Boavista a empatarem, com mais uma bela exibição de k-1 dum central que anda nos do Bessa chamado Hélder Rosário.

O Setúbal, sem dinheiro, lá vai levando a água ao seu moinho e também venceu.

No domingo, o meu SCP vence o Guimarães com uma 2ª parte em que se exibe num registo que não se via desde as boas fases da época anterior, nomeadamente no que diz respeito à qualidade de jogo no meio-campo. Na 1ª parte vi uma exibição que me deixou apreensivo, em que podiam ter levado um golo pelo menos, mas redimiram-se na 2ª com uma exibição autoritária, e a melhor jogatana de Carlos Martins em vários meses.

O “caso” Carlos Martins aliás, é algo que me suscita algumas reflexões.
É um jogador com um talento inequívoco, um médio super-completo, com óptima qualidade de passe a qualquer distância, com uma capacidade de remate verdadeiramente temível, e com ambos os pés, em jeito ou em força. Depois, executa com uma velocidade impressionante, e embora não seja um jogador muito rápido, tem uma finta muito rápida, tornando-o muito forte no 1 x 1. O mal deste gajo não é a ausência de talento, que ele tem de sobra, é uma questão de regularidade. Carlos Martins faz-me lembrar, em certo sentido, um gajo que jogava no SCP na década de 80, chamado Litos. Era, lembro-me, um daqueles jogadores de quem se esperava sempre qualquer coisa, um talento nato, um óptimo médio com muito bons pés, embora algo lento. Litos era dos que tanto fazia um jogo de pasmar toda a gente, como era capaz de estar vários sem dar uma “p’rá caixa”. Essa irregularidade fê-lo passar ao lado do que poderia ser uma óptima carreira, e Carlos Martins embora esteja a tempo (tem 22 anos) de acertar agulhas, está a tornar-se um caso semelhante, para desespero dos adeptos sportinguistas.
Uma nota: o irmão de Carlos Martins joga nas camadas jovens do SCP, e é uma cópia do irmão, tanto física como tecnicamente. Tem é mais “cabedal”, o que augura algo de muito bom…

No domingo fez um jogo de clara demonstração de talento: uma assistência para golo (aliás, duas na mesma jogada para Deivid, que só aproveita uma), um golo através duma “bomba” de livre, vários remates a por à prova o guarda-redes vimaranense, passes a rasgar a defesa, etc.
Resta saber se na 6ª vai jogar no Dragão, e se jogar, se está num daqueles dias bons ou maus. Se for a 1ª hipótese, temos previsivelmente um dos duelos mais interessantes do jogo, entre ele e Baía.
O jogo de domingo não teve grande história após a entrada de Sá Pinto, cuja contribuição nas recuperações de bola ainda no seu ataque, hoje em dia a sua especialidade, bem como no “carrossel” do meio-campo, foi a chave da boa 2ª parte.

Grande, grande Custódio… fez uma joga no limiar do perfeito, sempre no seu registo low-profile, a recuperar bolas atrás de bolas, e a assegurar o equilíbrio do meio-campo. Que por sinal, era integralmente made in academia, e com uma média de idade de 20 anos e uns meses.
Liedson mais uma vez esticou a corda, mas com Paulo Bento deu-se mal. Ficou a ver da bancada, e o seu substituto facturou.

Logo a seguir, mais uma exibição paupérrima do SLB face ao Belém, com um 0-0 no final.
Depois, o habitual choradinho de Koeman do deve e haver de penaltis e foras-de-jogo mal assinalados. Vistas as coisas, cada uma das equipas pode queixar-se de 1 penalti não assinalado (o lance de Nelson parece-me penalti) e de 1 ou 2 foras-de-jogo mal assinalados.
Os factos: o pior começo de campeonato do SLB nos últimos 55 anos, a paranóia “koemaniana” por defesas-centrais, e a banalização da equipa sem o simãozito.

Na 2ª, foi dia de S. Porto, com um árbitro e respectivos adjuntos a não verem um penalti de C. Peixoto sobre Carlinhos que até uma toupeira com cataratas via. Espero que na 6ª que vem, o Sr. Olegário venha disposto a fazer uma arbitragem limpa de casos, e sem frutinha na cesta à espera dele.

5 comentários:

Edson Arantes do Nascimento disse...

O Benfica tem sido levado ao colo, beneficiado inexpugnavelmente pela arbitragem em Portugal, o Carlos MArtins não devia ter sido expulso na primeira parte, o César Peixoto não fez penalty nenhum, o Gregory (aos 30 da primeira parte), segundo o Jorge Coroado, «estava em fora-de-jogo», o Geovanni (aos 30 da primeira parte) também estava em fora-de-jogo, o António Costa não deixou marcar o canto do Gil no último minuto, e fez bem.

Resumindo: tudo está bem, quando acaba em bem. Muito bem.

Edson Arantes do Nascimento disse...

Percebes tanto disto como eu de medicamentos.

Vê lá tu que o Hélder Rosário nem sequer jogou contra o Marítimo. Estava castigado, se não me engano.

Tripeirossos disse...

O árbitro não deixou o Gil Vicente marcar o canto no último minuto?
Se viste o jogo deves ter reparado que o árbitro deu 4 minutos de descontos e o canto foi aos 95m30s...
Vejo também que não fazes referência ao fora de jogo do Romeu na segunda parte que ia isolado para a baliza.
E já que viste as análises do Jorge Coroado ele diz que ficou um penalty por marcar sobre o Paulo Sérgio.

Edson Arantes do Nascimento disse...

Se não percebeste o tom irónico do comentário, paciência.

A minha intenção não é discutir, nem inventariar, erros de palmatória ou outros.

A minha intenção era apenas exemplificar, com alguns casos, a má qualidade, em geral, dos árbitros que apitam por cá. E nos outros países, se calhar, também têm o mesmo problema.

Se queres falar dos casos que referiste, digo-te apenas o seguinte:

- o Vítor Baía ficou, precisamente (porque eu reparei), 1 minuto e quarenta e cinco segundos no chão, a ser assistido - o árbitro tinha dado 4 minutos de desconto e este episódio começou, precisamente, aos 90. Não achas que era de bom senso (eu sei que a regra diz "não se dá desconto por cima do desconto") ele ter deixado marcar o canto?

Se estivesse o Porto a perder 1-0, achas que ele (o árbitro) tinha feito o mesmo?

- Tudo o que o Jorge Coroado diz, merece um desconto da minha parte. São muitos anos de azia.

E uma pessoa que afirma, peremptório, que o Gregory, na primeira parte, está em fora-de-jogo, das duas, uma: ou é doido, ou então... é doido.

Tripeirossos disse...

Mas eu admito perfeitamente que o Porto foi levado ao colo em Barcelos, o empate seria mt mais justo, nisso concordo ctg.
Em relação ao lançe do canto ser ao contrário, bastava que fosse contra qualquer um dos 3 grandes para poder ser marcado, é assim o nosso futebol...